A queda dos dentes não é normal na fase adulta como na infância, em que a perda dos dentes de leite faz parte do desenvolvimento da criança. Para os adultos, mesmo na terceira idade, perder os dentes permanentes é preocupante e implica consequências para o aspecto físico e visível da boca, funcional e também para a autoestima. Entenda quais as principais causas da queda dos dentes.

Quando um ou vários dentes caem, é um sinal que o paciente possui algum problema bucal, seja um desequilíbrio orgânico ou a falta dos cuidados adequados com a dentição. Acontece até mesmo em função de algum trauma sofrido, atingindo o dente e seu tecido de sustentação ou por complicações de doenças.
Diferentes motivos podem causar essa perda dos dentes e todos eles devem ser avaliados com atenção. E a boa notícia é que é possível substituir os dentes faltosos por meio de tratamentos e recuperar a saúde bucal.
Conheça as causas mais comuns:
• Periodontite: é a causa mais comum para a perda dentária. É uma doença caracterizada pela infecção da gengiva e do suporte dos dentes, tendo como consequência, a perda óssea. Quando não diagnosticada a tempo, essa inflamação da gengiva se agrava e atinge o sistema de sustentação dos dentes e podendo levar à perda de todos os dentes.
• Bruxismo: o ato de ranger os dentes durante o sono é comum em grande parte da população. Esse hábito provoca o desgaste dos dentes, em função do atrito intenso no esmalte do dente e, de forma contínua, pode levar à perda dentária.
• Cárie: é causada pela descalcificação do esmalte do dente, permitindo a invasão de bactérias que destroem e enfraquecem a estrutura dental.
• Mau posicionamento dos dentes: dificulta a higienização e sobrecarrega alguns dentes. A posição fora do lugar correto, deixa o dente fora do osso de suporte, comprometendo a estrutura dentária.
• Trauma de impacto: uma pancada forte, uma batida, um tombo. Várias razões podem causar traumas que ocasionam a quebra do dente ou fazem com que ele se solte do tecido de sustentação. O trauma ocorrido pode causar a perda do dente no mesmo instante ou não fazer o mesmo se soltar, mas afetar seus tecidos de suporte, causando uma complicação de ferimento interno que pode não ser evidente até algum tempo depois.
• Falhas mecânicas: devido à falta de suporte ósseo. Esse problema é mais comum em pessoas que já possuem dentes faltosos, o que implica em um excesso de tensão a qual os outros dentes são submetidos em função da falta dos outros. Os dentes trabalham em conjunto, cada um com sua função e, quando um deles é perdido, é necessária uma adaptação de todos os outros. Essa sobrecarga pode prejudicar a sustentação dentária.

A maioria das causas da perda dentária afetam os tecidos de sustentação, responsáveis por fixar os dentes na boca. Quando os problemas se manifestam, comprometem a estrutura e deixam os dentes vulneráveis e passíveis de queda. Infecções, inflamações e abscessos também influenciam na perda do tecido de suporte. Fumantes, dietas pobres em nutrientes, falta de higiene bucal e doenças, como a diabetes, são propulsores para essas complicações.

Sinais de risco para a perda dos dentes
• Sensibilidade ou sangramento da gengiva: se a gengiva sangra durante a escovação, durante o uso do fio dental ou enquanto se come, é um dos principais sintomas da infecção periodontal.
• Mau hálito: apesar de causado por diversos fatores, uma de suas causas pode ser o acúmulo de partículas de alimentos que se acomodam entre os dentes e a gengiva, o que pode levar à periodontite.
• Dentes frouxos: quando os dentes estão enfraquecidos e dão a sensação de amolecimento. No caso de periodontite, a parte da gengiva que sustenta os dentes fica debilitada e os tecidos ósseos de suporte acabam se danificando, fazendo com que haja perda dessas estruturas, o que leva à mobilidade dental.
• Retração ou recessão gengival: a recessão das gengivas provoca o afastamento da gengiva na região cervical dos dentes, deixando pequenos degraus ou espaços, lugares em que as placas bacterianas se acumulam, levando a infecções que afetam a estrutura dentária.

Tratamentos
Tratar o problema para manter a saúde bucal e a estética do sorriso, substituindo os dentes faltosos. São opções para a reposição:
• Ponte: quando o paciente possui dentes próprios, saudáveis e fortes, é possível que eles sustentem os artificiais. As pontes, em que as próteses ficam presas nos dentes adjacentes e não na gengiva ou ossos, podem ser uma opção para completar a arcada dentária.
• Prótese parcial: pode ser removida da boca e substitui mais de um dente. É uma opção quando o paciente perdeu dentes em posições distintas da arcada dentária. A prótese possui encaixes e dentes artificiais e se adapta nos dentes naturais e na gengiva. Deve ser sempre removida durante a higienização dos dentes.
• Prótese total: a popular dentadura. É utilizada quando o paciente não possui nenhum dente na arcada. É feito um molde para produzir uma prótese personalizada que contenha todos os dentes.
• Implante: tratamento definitivo para a perda de dentes. Reabilitação por meio da implantação de uma “raiz” artificial para sustentar os dentes substitutos. Possibilita maior segurança e conforto.
• Fechamento ortodôntico do espaço: quando há perda de um ou mais dentes em locais específicos. O problema pode ser resolvido utilizando-se um aparelho ortodôntico para fechar o espaço através da movimentação dos dentes. É mais indicado quando o paciente já necessita de outras correções no posicionamento dos dentes.

Seus dentes estão só trincados? Saiba mais aqui.

Recommended Posts