A recessão gengival, que algumas pessoas chamam de retração gengival, é uma alteração comum caracterizada pela diminuição da porção de gengiva que recobre o dente, expondo a sua raiz e deixando-o aparentemente mais longo. Em termos mais técnicos, a recessão da gengiva ocorre quando há perda de tecido periodontal e a porção terminal do tecido gengival (chamado de gengiva marginal) se afasta do colo do dente em direção à sua raiz.

Este problema surge lentamente, mas piora ao longo do tempo. Dependendo do local e da extensão, dores agudas após a ingestão de alimentos frios ou pastosos podem transformar a alimentação num processo doloroso e desprazeroso. Se não for tratado quando surgem os primeiros sinais, pode ter consequências graves, como uma infecção, cáries ou mesmo levar à perda do dente e à danificação do osso e do tecido do maxilar.

Além de se observar um encolhimento da gengiva, que expõe mais o dente e torna a base mais amarelada, os sintomas da recessão gengival podem também incluir sangramento das gengivas após escovar os dentes ou utilizar do fio dental, aumento da sensibilidade dentária, gengivas mais vermelhas, mau hálito, dor nos dentes e nas gengivas e, em casos mais graves, perda dos dentes.

 Possíveis causas

A recessão gengival pode ocorrer em qualquer idade e em bocas saudáveis, podendo ser causada por diferentes fatores, como:

  • Infecção das gengivas;
  • Mau posicionamento dentário;
  • Acúmulo de tártaro nos dentes;
  • Hereditariedade, não existindo nenhuma causa aparente;
  • Lesões causadas por escovar os dentes com muita força ou com escovas muito duras;
  • Doença periodontal, que pode acontecer devido a uma higiene oral insuficiente;
  • Alterações hormonais em mulheres;
  • Uso de piercings na boca que podem provocar lesões nas gengivas;
  • Enfraquecimento do sistema imune devido a leucemia, AIDS ou tratamentos como quimioterapia, por exemplo;
  • Uso de medicamentos que deixam a boca mais seca;
  • Procedimentos odontológicos, como aplicação de próteses, clareamento dos dentes ou aplicação de aparelho dentário;
  • Bruxismo, que é um ranger ou um forte apertar dos dentes, levando ao seu desgaste e à destruição do tecido da gengiva.
  • Idade – Com o passar dos anos existe uma propensão natural para se ir verificando uma retração gengival generalizada, mais numas pessoas do que noutras, sendo que neste caso, esta ocorrência é considerada fisiológica e não patológica;

Tratamento

A recessão gengival tem cura, ou pode ser controlada caso seja tratada quando aparecem os primeiros sintomas. Fazer uma alimentação equilibrada, parar de fumar ou remover piercings na boca são medidas fáceis. Além disso, é importante escovar os dentes de forma correta, menos agressiva, no mínimo duas vezes por dia, com uma escova macia, juntamente com a utilização de fio dental todos os dias.

Os métodos de tratamento variam de acordo com o tipo e gravidade da retração. Se for causada pela escovação excessiva ou agressiva, seu dentista pode orientá-lo sobre formas mais adequadas de higienização bucal.

Cirurgia de enxerto de tecidos moles (chamada de enxerto gengival) e outros procedimentos em casos mais graves, ajudam a criar mais gengiva inserida para prevenir a progressão da recessão gengival e auxiliar na regeneração e restabelecimento da cobertura da raiz.

Se a recessão for causada por doença periodontal, o primeiro passo, normalmente, envolve uma limpeza especial, chamada de raspagem e alisamento radicular. Para muitos pacientes, esse tratamento, associado a uma excelente higiene bucal em casa e avaliações regulares, pode ajudar a estabilizar o problema periodontal e prevenir futuras perdas gengivais.

Mas de qualquer forma, é importante procurar o dentista assim que perceber os primeiros sinais e sintomas. Ele irá aconselhar o melhor tratamento, dependendo da causa e da gravidade da recessão gengival. Em resumo, estas são as causas principais:

– Infecção: o dentista, além de tratar o problema, pode também prescrever um enxaguante bucal, gel ou uma pasta antisséptica;
– Acúmulo de tártaro: deve-se fazer uma limpeza dentária no dentista.
– Periodontite: deve ser feita uma raspagem e alisamento radicular;
– Dentes mal posicionados: deve-se corrigir com o uso de aparelho dentário de forma a alinhá-los;
– Uso de medicamentos que causam boca seca: usar um produto para reduzir a secura da boca.
– Tratar a sensibilidade dentária, normalmente com a utilização de enxaguante bucal e pastas dentárias especificas para reduzir a sensibilidade, aplicação de flúor, ou tratamento com resina.

Por que os dentes doem com a recessão gengival?

As raízes dos dentes não são revestidas pela parte branca e resistente que vemos nas coroas dentárias – o esmalte.  O que protege as raízes é uma estrutura fina e frágil, chamada cemento, e que pode ser facilmente desgastada pela ação das cerdas das escovas sobre os dentes. Quando esse desgaste ocorre, as estruturas responsáveis pela sensibilidade ficam expostas, facilitando o estímulo à dores que podem ir de leves e agudas. Em casos mais graves, essa sensibilidade só pode ser resolvida com a remoção da polpa dentária, ou seja, com o tratamento de canal feito por um endodontista.

Quando é necessário fazer cirurgia gengival

Em casos mais graves, o dentista pode sugerir uma cirurgia gengival que consiste no recobrimento da porção da raiz do dente exposta, reposicionando a gengiva ou usando um enxerto de tecido feito, normalmente, de gengiva retirada do céu da boca.

O sucesso da cirurgia depende da gravidade do problema, assim como da idade da pessoa, capacidade de cicatrização, espessura da gengiva, e outros fatores como o consumo de cigarro e hábitos de higiene oral.

 

Recommended Posts